Sobre Gabriel FalleN Toledo

Gabriel "FalleN" Toledo

O começo

Nascido em Itararé, cidade localizada no interior de São Paulo, a história construída por Gabriel "FalleN" Toledo se mistura a do Counter Strike brasileiro.

Gabriel tomou gosto pelos jogos através da loja de informática de seus pais. Quando jovem, gostava muito de jogar DOOM e StarCraft. Em meados de 2003, teve seu primeiro contato com o jogo que mudaria sua vida: Counter Strike 1.6.

Foi na Soldier Lan House em Itapetininga que FalleN foi apresentado ao FPS por seus irmãos: Thiago e Marcelo. A paixão dos dois pelo jogo foi um dos grandes motivadores que impulsionou Gabriel a perseguir esta trajetória.

Sempre apoiado pela família, o jogador se esforçava para encaixar o CS 1.6 na sua rotina diária. Dividindo seu tempo entre jogar futebol no clube da cidade, se dedicar à escola e ajudar sua mãe no trabalho, Toledo sempre conseguia arranjar um tempo para jogar o FPS.

Foi no trabalho de sua mãe que ele desenvolveu uma das características mais importantes que carrega consigo atualmente: A habilidade de falar com pessoas. Hoje, capitão do melhor time de CS:GO do mundo, este talento desempenha um papel enorme em suas conquistas.

Jogando no seu primeiro time, os Soldiers Of Fire, FalleN desenvolveu seu gosto pela competitividade e pela vitória. Jogando ao lado de b4d-as- e Seiji, amigos até hoje de Toledo. Foi através desta equipe que experimentou o Counter Strike em sua melhor forma: a de competição.

Alguns passos a frente e já com 14 anos, a crashers se tornaria sua próxima equipe. Apesar de sua idade reduzida, sem a certeza de que poderia viajar para um campeonato presencial, Gabriel aceitou o convite. Passaria agora a jogar ao lado de Batistuta, Wolve, KleptoN, Black e neoX, em meados de 2005.



Inserido em uma rotina de treinos diários, o que antes era um hobby passou a se intensificar. Marcelo, seu irmão mais velho, o ajudava nas viagens para campeonatos presenciais em outras cidades, já que sua idade o limitava de fazê-lo sozinho. Com o tempo, seu irmão também se juntou à equipe, resultando em diversas vitórias e campeonatos jogados através do interior de São Paulo.

Em 2008, FalleN teve uma breve passagem pela vsONE, uma equipe de Counter Strike:Source. Jogando ao lado de kill bill, ruffo, nykko, wert e rafaw. O time levou o primeiro lugar na Quest Cup e na Liga Monkey daquele mesmo ano.



Entrada para FireGamers



Alguns anos se passaram na crashers e em Maio de 2009, um dos grandes pontos de virada na vida de FalleN acontece. Já um pouco desfocado do jogo e mais concentrado nos estudos para ingressar na faculdade de Engenharia da Computação, os jogadores fnx, nak, bit e bruno chamam o AWPer para ingressar na FireGamers.Esta transferência foi eleita como a nona melhor mudança de line-up em 2009 pelo HLTV.org.

A entrada para um novo time foi um divisor de águas e um dos momentos mais felizes na vida de Gabriel. Após 4 anos se dedicando ao jogo, o AWPer foi reconhecido pelos melhores jogadores brasileiros da época, que já tinham rodado o mundo com a MiBR.

Junto com este convite, nascia um dilema: Seguir com a vida padrão com faculdade e trabalho ou largar tudo e viver o sonho com o Counter Strike 1.6? Sempre 100% apoiado pela família, FalleN ressaltou que foi motivado pela mãe a seguir o que tivesse vontade. Aceitou o convite e passou a fazer parte da FireGamers.



O hobby virou profissão

Ingressando na FireGamers, sua rotina mudou completamente, agora a de um jogador profissional. Acordava, tomava café da manhã, assistia demos e treinava duro na parte da tarde e da noite. E assim o ciclo se repetiu por mais 5 meses.

Com alguns conflitos entre os jogadores e poucas possibilidades de torneios internacionais, bit acaba saindo da equipe para ingressar na MiBR. Com esta mudança, prd entrou para o grupo e imediatamente começaram a treinar sem parar para o qualificatório da WCG 2009, que se aproximava cada vez mais.

Varrendo a competição, chegaram até as semi-finais do bracket superior, onde foram derrotados pela Made in Brazil. Relegados ao bracket inferior, venceram o time da ECO.COBRA, HardDivision e playArt, classificando-se para a grande final. Desta vez, conseguiram vencer a nova equipe de bit por 2 mapas a 0 e conquistar a vaga no grande evento na China.



Resultados Internacionais e a criação de um legado:




WCG 2009

Disputado em Chengdu, o World Cyber Games 2009 ocorreu em novembro e contava com uma premiação de mais de US$70,000. Gabriel estava em seu primeiro torneio internacional.

Defendendo a FireGamers ao lado de nak, fnx, prd e bruno1, a equipe brasileira foi sorteada para o Grupo B, com Fnatic, wNv, DINC e Executioners.





ESWC 2010


Da esquerda para direita: bit, FalleN, nak e bruno, jogando pela FireGamers em 2010 na ESWC.

Em junho de 2010, Gabriel foi junto à sua equipe disputar a Eletronic Sports World Cup. O torneio ocorreu em Paris, na França, com US$73,500 em prêmios. Novamente, a FireGamers caiu no mesmo grupo dos suecos da Fnatic e dos noruegueses da LIONS.

Bem preparados, se classificaram em segundo para as quartas de final, onde conquistaram a 5-8o posição após uma derrota por 2-0 contra a força dinamarquesa da mTw. Os brasileiros voltaram para casa com uma premiação de US$1,600 e uma excelente performance em território internacional.





WCG Brazil 2010 e WCG Pan America 2010

De volta ao Brasil, Gabriel competiu novamente em um qualificatório do WCG, em agosto de 2010. Defendendo o título da edição passada, FalleN teria que vencer equipes do escalão de CNB, GamerHouse e MiBR, para conquistar o bicampeonato e a vaga na final mundial, que ocorreria em Los Angeles nesta edição.

Com uma performance dominante na grande final contra a CNB, as habilidades de sniper de Toledo criaram uma defesa impenetrável para os oponentes da FireGamers. Não deu outra: 16-0 no primeiro mapa e 16-11 para fechar a série. Estes resultados consagraram a FG como bicampeã do qualificatório para a WCG, garantindo a viagem para os Estados Unidos. Gabriel teria uma nova oportunidade na World Cyber Games.



No mesmo evento, a equipe de Toledo ainda disputou o WCG Pan America, com equipes do Peru, Chile, Canadá, EUA e Costa Rica. Imbatíveis, levaram o primeiro lugar contra a Evil Geniuses, equipe de alto calibre no cenário norte-americano.





Alcance mundial: FalleN na Complexity

Em Setembro de 2010, a FG foi contratada pela organização norte americana Complexity. Com a boa impressão causada pela vítoria do Qualificatório da WCG e do WCG Pan America, o primeiro desafio de FalleN sob a nova organização foi disputar o torneio que tinha acabado de se qualificar, em Los Angeles.


Da esquerda para direita: bruno, fnx, nak, FalleN e bit



WCG 2010

Cada vez mais forte, a equipe de FalleN parecia imbatível, com uma performance muito superior comparada a edição passada. Foi neste espírito que os brasileiros vieram para o torneio nos Estados Unidos. Liderando o grupo C acima da russa forZe e a paquistanesa I-DX, a classificação para os playoffs veio fácil.

Na segunda fase do torneio, enfrentariam a Area51 e Tyloo até perder para a conhecida mTw nas semi-finais, oponentes já conhecidos dos brasileiros. Conquistaram o quarto lugar em uma série melhor de 3 contra a polonesa Frag eXecutors.


Complexity vs Frag eXecutors @ WCG 2010. Jogo válido pelo 3o lugar 



IEM Season V American Championship Final

5 dias depois dos excelentes resultados em Los Angeles, a Complexity viajou para cidade de Nova Iorque para competir na temporada 5 do Intel Extreme Masters. O ímpeto que foi construído no torneio passado se transferiu para a performance em NY.

Perdendo apenas 1 mapa para a equipe da Damage Inc, FalleN conquistou a taça da IEM 5 American Championship Finals. Era o primeiro título dos brasileiros em terras internacionais.


Complexity campeã do IEM5 American Championship Finals 



IEM Season V World Championship

O título em Nova Iorque garantiu para Complexity uma vaga na final mundial, em Hannover, na Alemaha. No mesmo grupo da polonesa Frag eXecutors e da dinamarquesa mTw, se classificaram com 3 vitórias e 2 derrotas para as quartas, onde conquistariam o 5-6o lugar, perdendo para os futuros campeões da Natus Vincere.

FalleN foi eleito o terceiro melhor jogador daquele campeonato. Mostrando sua melhor performance em eventos deste tamanho, Gabriel conquistou um rating 25% melhor comparado ao seus colegas de equipe, o título de segundo melhor fragger com rifle e AWP e melhor entry fragger do torneio todo.


Complexity na IEM5 World Championship



Parceria com Target.Down e Counter Strike: Source

Com a versão Source crescendo exponencialmente, a Complexity anunciou em fevereiro de 2011 uma parceria com a organização brasileira TargetDown para formação de uma line-up exclusiva de CS:S. A coL.br passaria a representar esporadicamente a TD em alguns campeonatos da versão mais nova do jogo.

Sem competir em CS:S por alguns anos, Gabriel estava de volta à nova versão do FPS. O acordo gerou uma line-up de seis pessoas, contando com FalleN, bruno, nak, fnx, zqk e bit. Foi nesta época que Toledo jogou as duas versões ao mesmo tempo. Defendendo a Complexity/Mandic no 1.6 e a TargetDown no Source.

Mandic revela sua nova equipe

Em Setembro de 2011, Gabriel participa de mais um projeto audacioso no Counter Strike brasileiro. Em parceria com a Mandic, ele se junta ao seus colegas antigos de equipe (bit, bruno, nak, fnx) em um patrocínio por uma empresa grande do mercado. Com esta colaboração, o time teria apoio financeiro para treinar e competir internacionalmente.

A performance da mandic repetiu os passos da época da Complexity. No mês seguinte, a nova equipe competiu e venceu a WCG Brasil 2011, realizada no Shopping Eldorado, em São Paulo. O título veio após uma vitória por 2 mapas a 0 sobre a equipe da GamerHouse. Era o tricampeonato de FalleN neste torneio.


Mandic campeão WCG Brasil 2011



Terceira participação na WCG Mundial

Com o primeiro lugar conquistado no campeonato em São Paulo, Gabriel ganhou a classificação para a final que ocorreria no mês seguinte, em Busan - Coréia do Sul.

Competindo com equipes do mundo inteiro, a mandic foi posicionada no grupo C, junto da Ti-eSports, de Hong Kong e a FireNation, do Azerbaijão.

Com uma saída da fase de grupos relativamente fácil, o próximo desafio eram as séries melhor de 3 da fase de playoffs. Vencendo da N38-26F e avançando para as quartas de finais, conquistaram o 5o. lugar do torneio após uma derrota para a conhecida Moscow.Five.



semXorah e IEM VI Hannover

O projeto da mandic no Counter Strike 1.6 teve seu fim em Janeiro de 2012. Sem equipe definida, FalleN participou brevemente da lineup da semXorah, para disputar a Final Mundial da Intel Extreme Masters 6 na Alemanha. A equipe brasileira ficou desta vez no Grupo B, junto da Fnatic, WinFakt, eSAHARA, Moscow Five e Lions.





Entrada para a playArt

Após o final da sua breve participação na sX, Gabriel entrou para uma estadia que durou mais de um ano na PlayArt. Jogando com seus companheiros de sempre, chegaram a vencer a Mega Acervus Cup 2012 em Botucatu e a WCG Pan America 2012.


FalleN na WCG Pan America 2012




Mudança de Jogo

Perdendo cada vez mais popularidade, o Counter Strike 1.6 começa a ter cada vez menos torneios importantes. O cenário começa a diminuir, principalmente com a IEM removendo o CS 1.6 do conhecido torneio. Procurando alternativas, FalleN se juntou novamente à playArt e montou um time de Assault Fire, onde jogou seu único campeonato, a WCG Brasil 2013, em outubro.


Apresentação time Assault Fire - playArt



Passagem pelo CrossFire

Em novembro de 2013, FalleN entra na equipe de CrossFire da paiN Gaming, jogando ao lado de Gunnerz, afc, castiel e felippe1. Como capitão, venceram a BGL Arena #3 e ganharam a vaga para disputar a CFStars em 2014, em Chengdu, na China.

Após vencer alguns campeonatos locais com a equipe da paiN, FalleN entra para o time de FPS da KabuM! eSports. Ainda no CrossFire, vencem a BGL Arena 2014.

Após alguns meses competindo em CrossFire e Assault Fire, o cenário brasileiro de CS:GO começa a aquecer. Gabriel, que nunca deixou de competir nesta versão do jogo, volta ao seu FPS de origem com fnx, fer, hen1 e lucas1.





Entrada para o CS:GO

Em fevereiro de 2013, FalleN também entrava para o competitivo de Counter Strike: Global Offensive. Competindo em dois jogos ao mesmo tempo, Gabriel começou a jogar a versão atual do FPS ainda sob a PlayArt. Conquistou o terceiro lugar na Razer Challenge Brasil 2013, seu primeiro título em CS:GO.

5 meses após sua estreia na versão atual do CS, a playArt anuncia seu fim. Toledo entra para a line-up da Progaming.TD. Desta vez, o jogador começa a competir ao lado de zqk, zakk, steel e rkz.

Após uma temporada competindo em outros jogos, o jogador entra para a equipe da KabuM.FPS em Abril de 2014, onde volta a jogar ao lado de fnx, seu companheiro da época do 1.6. Junto deles, fer, hen1 e lucas1.

Com o cenário brasileiro de CS:GO começando a aquecer, a equipe recém formada se consagra campeã da Arena BSOG, em 2014.

[foto: Campeonato BSOG



KabuM se junta a ProGaming.TD

Em setembro de 2014, FalleN anuncia em seu Facebook a junção das duas organizações, que dará apoio financeiro para competir internacionalmente. Nascia a KabuM.TD, que veio com mudanças na line-up. A partir de agora, Gabriel jogaria com fer, steel, boltz e zqkS.


Lineup da KabuM.TD



O começo de uma nova jornada internacional

MLG X Games Aspen



Em dezembro de 2014, a KabuM.TD vencia a classificatória brasileira da Major League Gaming e conquistava uma vaga no X Games Winter 2015. O campeonato aconteceria em Colorado, com premiação total de US$50,000.

Para FalleN, mais uma chance de exibir seu talento internacionalmente. Caíram no mesmo grupo da Cloud9, a powerhouse americana na época, a Team Dignitas (atual Astralis) e a lendária Ninjas In Pyjamas.

O time conseguiu garantir uma vitória de 16-4 sobre a Cloud9, impressionando todos os espectadores do campeonato. Começava aí a fama dos azarões que a esta line-up adquiriu ao longo de 2015.


Vídeo: KabuM.TD vs Cloud9

Este campeonato foi importantíssimo para a inserção deste time no radar mundial, que começou a ganhar notoriedade internacionalmente e convites para outros torneios internacionais.



ClutchCon 2015

Aproveitando a estadia nos Estados Unidos para competir, a equipe se dirigiu a Denver para participar da ClutchCon 2015. CLG, Cloud9 e Fnatic estavam entre as participantes.

Posicionados em um grupo relativamente fácil com eLevate, Denial eSports e SOURCEry, a qualificação para as quartas de finais veio tranquila para os brasileiros, fechando a fase com 2 vitórias e 1 derrota.

A grande surpresa veio nas quartas de final. FalleN e equipe conseguiram o inesperado: ganhar um mapa da Fnatic. Conhecida por ser uma das principais equipe suecas, o time iria se tornar um dos melhores do mundo alguns meses depois.


Clutchcon 2015 - KaBuM.TD vs Fnatic



Qualificatório ESL One Katowice 2015



Convidados pela organização do campeonato, FalleN se voltou a comunidade para conseguir os fundos necessários para pagar a viagem para Katowice, na Polônia. Sua performance nos campeonatos anteriores foi notada e arrecadaram mais de R$25.000, suficientes para bancar todas as despesas necessárias.

Este crowdfunding não só movimentou a comunidade: A organização ESEA contribuiu com US$2500 e o sueco Robin "flusha" Rönnquist, jogador da Fnatic, doou US$1400.

Já na Polônia, FalleN cai junto de equipes do escalão de Cloud9, mousesports e Dignitas. Com 16 equipes competindo por 8 vagas, a vaga no tão sonhado Major ficava cada vez mais próxima.

Após uma fase grupos tranquila, apenas perdendo para mousesports, a KabuM.TD vence a Dignitas por 16 a 3 e conquista a vaga para o seu primeiro campeonato de grande porte: A ESL One Katowice 2015.


KaBuM.TD vs. Team Dignitas



ESL One Katowice 2015



O primeiro Major disputado por FalleN em sua estadia fora do país, agora sob a bandeira da Keyd Stars. Este campeonato foi patrocinado pela desenvolvedora do jogo, Valve, e contava com premiação total de US$250,000.

As 8 melhores equipes daquele campeonato seriam automaticamente convidadas para o próximo Major, em Cologne.

Inseridos desta vez no Grupo C, junto dos campeões Ninjas In Pyjamas e da forte Counter Logic Gaming, os brasileiros estreiaram com uma derrota para a NiP. Nos jogos seguintes, FalleN conseguiu se manter vivo no campeonato vencendo a Hellraisers por 16x12 e a Counter Logic Gaming por 16x9. Sua performance surpreendeu a todos os analistas e levou sua equipe para os playoffs do campeonato, adquirindo o status de "Legend" no cenário internacional.

Estava carimbado o convite para o próximo Major. As oportunidades se ampliavam cada vez mais para o time brasileirol.

Para fechar sua performance com chave de ouro, conseguiram vencer um mapa da equipe da casa, Virtus.Pro, que tinha vencido o mesmo campeonato no ano passado.


Keyd Stars vs. Virtus.Pro

Finalizando a ESL One Katowice 2015 em 5-8o. lugar, a ascensão meteórica da equipe capitaneada por Gabriel começava a demonstrar seus primeiros sinais. Acabava a primeira estadia da Keyd Stars em território internacional, causando uma ótima impressão em escala global.



ESL ESEA Pro League - Season 1



A ESL ESEA Pro League foi o torneio que desencadeou uma nova temporada de FalleN nos Estados Unidos. Com a performance surpreendente na ESL One Katowice 2015, a ESL extendeu seu convite para a equipe de FalleN, que já tinha se mostrado apta à se mudar para o país norte americano.

Com partidas semanais contra as melhores equipes do cenário norte americano, a Keyd Stars competiria por uma parte da premiação de US$125.000, além de uma vaga nas finais em Cologne.

Dominando a região norte-americana, os brasileiros fizeram a mudança para um novo país valer a pena. Finalizando a fase de grupos em segundo lugar, com 17 vitórias e 5 derrotas em 1 mês e meio de campeonato, a vaga para as finais na Alemanha estava garantida.

Já na Europa, FalleN teria que enfrentar as melhores equipes do mundo. Caindo no mesmo grupo da Counter Logic Gaming, Team SoloMid (atual Astralis) e a poderosa Fnatic, o caminho não seria fácil.

Apesar de perder da CLG durante a fase de grupos, conquistaram uma vaga para as quartas de final. O sorteio de chaves não foi favorável e acabaram perdendo para a Fnatic por 2-0 na fase seguinte.

Mesmo com um resultado ruim, ficou mais do que provado que a equipe de FalleN merecia o seu lugar na elite do cenário internacional, sendo uma equipe que tinha potencial para brigar com os melhores do mundo.



ESL One Cologne 2015

 

O segundo Major de 2015 aconteceria em Cologne. Um dos principais campeonatos do ano estava com uma premiação de US$250.000 para as melhores equipes.

Com o status de "Legend" do campeonato passado em Katowice, os brasileiros foram convidados para disputar o primeiro lugar com as melhores equipes do mundo em 3 dias de ação e muito CS:GO.

Já sob o escudo da Luminosity Gaming, FalleN e sua equipe já estavam muito bem estabelecidos na Califórnia, treinando e participando das principais competições da região. Com o apoio de uma organização norte-americana, eles já estavam começando a ser considerados como uma grande força no cenário internacional.

Inseridos no grupo B, jogariam contra os franceses da EnVyus, a Flipsid3 Tactics e a Team Kinguin. Conquistaram a vaga nos playoffs e mantiveram seu status de "Legend", finalizando o campeonato em 5-8o. lugar e garantindo a participação no próximo major em Cluj Napoca.

Este torneio marca a entrada de coldzera, um dos melhores jogadores brasileiros da atualidade. Ele teve uma performance de estreia muito acima do esperado, adicionando um poder letal a equipe da Luminosity.



Dreamhack Open Cluj-Napoca 2015



Foi em Cluj-Napoca, na Romênia, que a equipe de FalleN começou a ganhar notoriedade internacional. Posicionada em décimo-segundo no ranking do site HLTV, a equipe já era uma das contendoras à ingressar na elite do cenário internacional.

Com uma campanha que sempre trazia resultados interessantes, a unica habilidade que faltava para a Luminosity Gaming era a resiliência em séries melhor de 3.

Posicionada em um grupo complicado com a Cloud9 e Fnatic, o risco de perder seu status de "Legend" estava maior do que nunca.

Com uma partida apertada na Dust2, FalleN começa bem o torneio com uma vitória por 16-11. Uma das principais esperanças para a região norte-americana acabava de ser derrotada pela força crescente dos brasileiros.

Foi no segundo jogo da fase de grupos que a maior surpresa aconteceu. Jogando contra os favoritos a ganhar o torneio, a LG conquista uma vitória inacreditável contra a Fnatic por 16-13, no mapa Inferno. Esta conquista foi um enorme azarão para os suecos e provou mais uma vez que os brasileiros merecem um lugar na elite do Counter Strike internacional.



Esta vitória também garantiu a manutenção do seu status de Legend e a vaga para o próximo Major em Columbus, que ocorreria em Março de 2016. FalleN estava mais do que estabelecido internacionalmente.



FACEIT 2015 Stage 3 Finals



Este torneio foi um divisor de águas na história de FalleN. A Luminosity vinha com resultados interessantes, mas nunca conseguiam ultrapassar as quartas de final dos grandes torneios. Essa fome de título e falta de resultados provocou uma mudança na equipe 2 dias antes do início do torneio na Suécia.

A saída de boltz e steel e a entrada de fnx e TACO trouxe muita desconfiança aos analistas, que esperavam uma performance abaixo do normal. A primeira partida de FalleN não foi nada fácil. Perdendo da Fnatic por 16-0, parecia que a vida dos brasileiros no torneio estava destinada a terminar cedo. Apesar da adição dos novos jogadores, a falta de treino e entrosamento resultou em um resultado péssimo na estreia da nova line-up.

/


Relegados para o bracket inferior, a grande surpresa ainda estava por vir. Com apenas uma noite de preparo após esta derrota, os brasileiros conseguiram executar uma corrida milagrosa até as finais.

Vencendo séries melhor de 3 contra EnVyUs, Ninjas In Pyjamas e TSM (atual Astralis), os brasileiros alcançaram a grande final, contra os suecos da Fnatic. Um feito nunca antes visto por esta line-up provou que as adições ao time eram mais fortes do que nunca.

Apesar de não terem conquistado o título deste torneio, este resultado bota a Luminosity em um outro patamar, virando uma equipe muito mais respeitável e temida pelos adversários internacionais.



Enfim, campeão do mundo - MLG Major Championship: Columbus



O primeiro Major com 1 milhão de dólares em premiações prometia marcar a história do CS:GO. Com as 8 melhores equipes do campeonato passado em Cluj-Napoca e com a nova organização da Major League Gaming coordenando o torneio, este evento foi um dos maiores dentro do eSport mundial.

Sem vencer um grande campeonato ainda, a Luminosity Gaming vinha mais forte do que nunca e era uma das grandes candidatas a vencer o torneio. Já considerada como a 5a. melhor equipe do mundo, o primeiro título estava muito próximo das mãos dos brasileiros.

Saindo invicta da fase de grupos, a equipe de FalleN enfrentava a Virtus.Pro nas quartas de final, que pareciam cada vez mais fortes em campeonatos presenciais. Após perder Cache no overtime por 17 a 19, o time brasileiro conseguiu vencer dois mapas seguidos e garantir sua passagem para as semi-finais.

Enfrentando a Liquid, uma equipe norte-americana que tinha o apoio da platéia, venceram duas partidas eletrizantes de virada, demonstrando uma força mental incrível, garantindo a passagem para a grande final.

Na grande final, disputariam o grande prêmio contra seus maiores inimigos, Natus Vincere. Com muita emoção, o primeiro mapa foi ao Overtime, com uma virada por parte dos brasileiros. Iniciando com dificuldades, a LG conseguiu tomar controle e vencer a primeira partida por 19-17.

O segundo mapa se tornou um grande atropelo pelo time de FalleN. O time ucraniano se mostrava abatido pela primeira derrota e não conseguiu engatar muitos rounds. Em uma performance incrível, a Luminosity Gaming vence a Natus Vincere por 16-2 e se torna a campeã do MLG Major Columbus 2016.





Chegando ao topo do mundo



Após serem campeões de um major, a equipe da Gabriel começou a ganhar destaque no cenário mundial. Com a tradicional Fnatic tendo resultados cada vez piores, a corrida pelo primeiro lugar no ranking mundial estava entre Luminosity Gaming, Natus Vincere e G2 eSports, talentos crescentes no competitivo.

Com o título da ESL Pro League Season 3 Finals em uma MD5 disputada contra os franceses da G2 eSports, o sonho estava realizado. O time de FalleN assumiu a primeira posição no ranking da HLTV.



Começava neste ponto a era dos brasileiros no competitivo internacional. Imbatíveis, o time de FalleN honrou o título de melhor do mundo pelos próximos meses.



De casa nova, na organização mais lendária do Counter Strike




Os excelentes resultados de Gabriel foram suficientes para atrair a atenção de diversos clubes. Campeões do mundo e da 3a temporada da ESL Pro League, os brasileiros agora eram o melhor time do mundo.

A SK Gaming, organização alemã de muita tradição nos eSports, se tornou a nova casa da Luminosity Gaming, no dia 1 de julho.

Se juntando a um dos times mais bem sucedidos da era do 1.6, a era dos brasileiros seria forjada sob o azul, preto e branco do clube germânico.





O segundo major




Representando a camisa nova, foi em Cologne que a estreia da nova line-up da SK Gaming aconteceria. Posicionados no grupo da morte com Fnatic, G2 eSports e FaZe Clan, passar para os playoffs seria um grande desafio.

Assumindo sua melhor forma após 2 títulos internacionais, o time brasileiro entrava em jogo em busca do segundo título mundial consecutivo e pela manutenção do posto de melhor equipe do mundo, ocupado desde Abril de 2016.

Com Gabriel Toledo assumindo o posto de um dos melhores AWPers e táticos do jogo nos últimos 3 meses, a SK Gaming teve uma passagem invicta para os playoffs, com vitórias convincentes sobre G2 eSports e FaZe Clan.



Enfrentando a Flipsid3 Tactics no grande evento na LANXESS Arena, os brasileiros garantiram a vaga para as semifinais após um 2-0 sobre o time russo. Enfrentando a Virtus.Pro para a vaga na grande final, foi no palco alemão que a SK Gaming conheceu um dos seus novos grandes oponentes

Com uma line-up com raízes no 1.6, os poloneses capitaneados por TaZ forneceram um desafio à altura da dominante SK Gaming, que batalhou por sua vaga em 3 partidas recheadas de ação. Com uma vitória por 16-12 na Mirage, a vaga na grande final era dos brasileiros, que agora estavam um passo mais próximos de conquistar o seu segundo título mundial.

Enfrentando a Team Liquid na grande final, o adversário norte-americano tinha sido a grande surpresa na fase anterior do grupo, vencendo a Fnatic por 2-0. O time estadunidense vinha com s1mple, um dos melhores jogadores do mundo, em sua line-up. Vencendo de forma convincente por 2-0, o time de FalleN se tornava bicampeão mundial.



Com o título em Cologne, a SK Gaming se torna a terceira equipe no mundo a possuir mais de um major. FalleN se torna o segundo capitão a ter dois títulos mundiais, junto de pronax. O time brasileiro é o segundo do mundo a conquistar dois majors seguidos, feito conquistado apenas pelos suecos da Fnatic.



A primeira seca de títulos da SK


Após a conquista do segundo Major e o topo do mundo garantido, os liderados por FalleN passariam pelo primeiro momento de seca de títulos desde que chegaram no patamar máximo do Counter-Strike mundial. A saída do coach Wilton "zews" Prado também foi uma complicação enfrentada pela equipe, que resolveu não trazer ninguém para o posto deixado.

A equipe brasileira encontrava barreiras principalmente nas semifinais, foi assim na iBUYPOWER Invitational 2016 - Fall, ESL One: New York 2016, EPICENTER 2016, ELEAGUE Season 2 e Esports Championship Series Season 2 - Finals.

Em outubro daquele ano a primeira grande chance de Gabriel Toledo trazer um título de expressão internacional dentro de casa no CS:GO. A ESL escolheu São Paulo como casa das finais globais da temporada de número quatro da Pro League.



A SK fez atuação de luxo até a grande final, onde enfrentaria a forte Cloud9, mas o sonho foi por água abaixo após uma Overpass disputada que chegou ao overtime em 19 a 17 para os brasileiros, os dois mapas da sequência apresentaram uma equipe abaixo da expectativa dos fãs presentes no Ginásio do Ibirapuera. O título ficou com os norte-americanos.

Um mês depois outro vice, dessa vez na IEM em Oakland nos Estados Unidos. Em dezembro, nova queda nas semifinais da ELEAGUE Season 2 evidenciaram grandes problemas internos que culminaram na saída Lincoln "fnx" Lau.

O português Ricardo “fox” Pacheco chegaria como complete para a ECS Season 2 Finals, mas acabou ficando também para ELEAGUE Major Atlanta que aconteceria em janeiro.

Em 2016, Gabriel “Fallen” Toledo foi eleito o segundo melhor jogador do mundo no ano, atrás apenas do companheiro de time, Marcelo “coldzera” David. O tamanho do ano da Luminosity/SK foi tão grande que apenas Epitácio “TACO” Pessoa não esteve na lista dos 20 melhores.



Entre os mais influentes


Em janeiro de 2017 FalleN foi classificado como um dos 30 atletas mais influentes dos games, segundo a revista Forbes na categoria “30 Under 30: Games”, ao lado de nomes como Brandon Beck, CEO da Riot Games. O prêmio veio cerca de um mês depois da conquista de “Personalidade do ano” pela eSports Industry Awards, uma espécie de Oscar da Indústria dos Esports.

Gabriel foi, e ainda é, presença certa em premiações do tipo. Em 2015, por exemplo, já havia vencido como pessoal mais influente do esporte eletrônico brasileiro pelo portal myCNB.



A rival Virtus.pro e a aposta promissora


O ELEAGUE Major em Atlanta nos Estados Unidos marcou o início da temporada em 2017 e também trouxe novidades para o cenário: sistema suíço. Era a primeira vez da SK na disputa de um Major com um complete, o português fox foi logo abraçado por grande parte do público brasileiro e se sentiu em casa com a recepção dos jogadores.

No Major, a SK passou por HellRaisers, FaZe Clan e Astralis, caindo apenas para a Natus Vincere, conseguindo assim as três vitórias para avançar nos playoffs. Nas quartas de final, bateu novamente a FaZe Clan por 2 a 1 e enfrentaria a forte Virtus.pro, que vinha de altos e baixos e tentando se recuperar. Um jogo muito apertado, que terminaria em 2 a 0 para os poloneses com parciais de 19 a 17 e 16 a 14. A sensação era de dever cumprido, por mais que o tricampeonato não tinha chego.

A rivalidade com a Virtus.pro, que já era enorme naquela altura, se engrandeceria ainda mais na DreamHack Masters Las Vegas. A organizadora resolveu trazer um evento apoteótico no MGM Grand Garden Arena, com as maiores equipes do planeta reunidas.



A SK chegou naquela grande final sem perder qualquer mapa batendo TyLoo, Cloud9, Natus Vincere e North, a decisiva seria contra a grande Virtus.pro. Nesta altura a SK havia fechado a contratação de um jovem promissor, João "felps" Vasconcellos da Immortals.

Era a estreia do jogador e a campanha até aquele momento não poderia ter sido mais energizante para a torcida. Durante àquela final, as transmissões brasileiras quebraram todos os recordes de público, mas não foi a vez do jejum de títulos cair por terra. A taça ficaria com os poloneses após um 2 a 1 sofrido.

O mês de março e início de abril de 2017 trariam os piores resultados da equipe, caindo precocemente na IEM Katowice e StarLadder i-League Season 3.



O início de uma era de ouro


Marcada pela forma casual de seus torneios, a Beyond The Summit voltaria seus esforços para o Counter-Strike com a primeira edição da cs_summit. A SK foi uma das convidadas do evento que aconteceria perto de casa, em Los Angeles.

Um começo arrasador contra a EnVyUs chamou atenção de todos, uma vitória contra a Cloud9 trouxe novamente o hype da torcida, que viu a equipe chegar na grande final após bater a Gambit na tabela winner. Os cazaques voltariam a enfrentar os brasileiros na decisiva, era o momento de acabar com o jejum de títulos e não deu outra, 3 a 1 para a equipe de FalleN e era o primeiro título em 10 meses, desde o Major de Cologne.



Pés no chão, foi assim que a equipe tratou aquele momento. Verdade que a cs_summit não era o maior evento do ano e por isso o público também ficou relutante, porém inspirado com a vitória. Dias depois, mais motivos para comemorar, o título da primeira edição da IEM Sydney e uma campanha de luxo na divisão online da ESL Pro League S5 abrilhantaram o início do ano, que ainda contou com boas campanhas em torneios menores.

Em junho o título da DreamHack Open Summer 2017, contra a fnatic na casa dos suecos foi especial para o público, que viu até onde aquela equipe poderia ir com felps. O mundo se rendia novamente ao Counter-Strike brasileiro.

Àquela metade de 2017 se seguiria cheia de glórias, a viagem para Londres disputar as finais globais da terceira temporada da ECS renderam um título na bagagem, logo depois o retorno à catedral em Cologne, na casa da organização, carimbou a conquista mais importante do ano.

Foi na ESL One Cologne 2017 que FalleN garantiu o MVP, no que seria de suma importância para estar novamente entre os melhores do mundo no fim daquele ano.



Poucos dias depois da conquista uma viagem para a Polônia, para a disputa do PGL Major Krakow. O título não viria, mas a vaga com legends foi garantida no que já era um marco tradicional da equipe.

Até setembro, a SK não traria títulos para casa, uma terceira posição na ESG Tour Mykonos 2017 após uma viagem paradisíaca para a ilha grega foi o principal resultados dos meses que se passaram.

No início de outubro, felps deixaria a equipe por motivações próprias e daria lugar a Ricardo “boltz” Prass. O primeiro evento foi a EPICENTER e logo traria o título em do torneio disputa na Rússia, numa final ainda mais emocionante contra a rival Virtus.pro. Naquela altura, todos entendiam que independente de quem fosse o quinto elemento, o quarteto formado por FalleN, coldzera, TACO e fer era muito forte e era capaz de continuar no topo do mundo por muito tempo.



Os meses seguintes foram de classificações para a equipe de Gabriel. Vaga na WESG e nas finais da ESL Pro League S6. Uma queda na semifinal em Oakland durante a IEM não apagou a motivação do restante do ano, que ainda traria dois títulos importantes: BLAST Pro Series: Copenhagen 2017, na qual Fallen levou o segundo MVP do ano e na própria ESL Pro League S6 Finals.

Era o momento de relaxar pois o 2017 havia acabado de terminar, com a SK no topo do mundo e colecionando oito títulos de importância, cravando uma era que poucas equipes poderiam repetir.

Gabriel voltaria a deixar seu nome entre os melhores do mundo, desta vez na sexta posição.



2018 de SK


Novamente o ano começaria com Major. O ELEAGUE Major Boston 2018 teve lugar nos Estados Unidos. Impossibilitada de usar boltz por conta que o jogador já havia participado das seletivas da competição pela Immortals, coube a felps marcar seu retorno para o evento.

Sem muito treino junto do jogador a SK ainda fez uma campanha de encher os olhos. Com vitórias sobre Space Soldiers, mousesports e Gambit, perdendo apenas para a FaZe Clan na fase de grupos. Os playoffs marcaram o encontro com a fnatic nas quartas, e com bela atuação de FalleN conseguiram avançar na competição. Nas semifinais perderam para a Cloud9, que viria a sagrar-se campeã naquela ocasião.

Em nova classificatória para a WESG a SK passou com sobras, logo já com boltz, os brasileiros sonharam com o bi da cs_summit no que poderia trazer uma inspiração como em 2017, mas o terceiro lugar na competição não foi o bastante.

A partir daí outra seca de títulos assolou a melhor equipe da história do país. Em abril a saída de TACO surpreendeu muita gente, com o jogador rumando para uma carreira internacional na Team Liquid.

A escolha da SK também foi internacional, trazendo Jake “stewie2k” Yip para a formação. Os problemas com comunicação eram evidentes nas primeiras semanas, com os jogadores classificando como um grande desafio. Naquela altura, apenas Gabriel possuía um inglês bom o bastante para se comunicar com o novo parceiro.

As dificuldades refletiram no primeiro semestre de 2018, onde apenas três títulos de muito pouca expressão vieram. Adrenaline Cyber League 2018 e Moche XL Esports 2018, não deixando o público e os jogadores satisfeitos.

Antes de um novo rumo que ficaria marcada na história de Gabriel e companhia, uma visita ao Brasil para a disputa da ESL One: Belo Horizonte 2018. Foi o retorno, desde a ESL Pro League em São Paulo dois anos antes. Acalorada pela torcida brasileira, que recebeu com carinho desde o primeiro minuto, a SK iria até a semifinal do torneio, caindo a a mousesports.





O 2018 de MIBR


Era o momento de virar a página e em grande estilo. Após semanas de rumores a MIBR anunciou seu retorno, marcando um evento recheado de atrações para o público no dia 23 de junho.

Centenas de pessoas compareceram ao anúncio da aquisição da equipe que defendia a SK Gaming. Era o recomeço de uma das maiores marcas do esporte eletrônico brasileiro, junto da maior equipe que o país já viu no Counter-Strike.



A ESL One Cologne 2018 foi o primeiro torneio com a nova marca, mas não foi de sucesso para os brasileiros como as edições anteriores em solo alemão. Amargando um oitavo lugar, a MIBR já preparava outra mudança e, ainda mais gringa, trouxe Tarik “tarik” Celik para a composição, boltz deixava a equipe naquela ocasião.

Tarik havia sido MVP do ELEAGUE Major Boston no início daquele ano, mas o reflexo no público mais nacionalista foi de pé atrás. Porém, uma grande campanha de adequação ao time foi feita, e em pouco tempo o time abraçou o projeto, mesmo em baixa de títulos.

O ELEAGUE CS:GO Premier 2018 foi o primeiro evento da nova equipe, mas uma queda precoce na fase de grupos veio. Era hora de viajar para Wan Chai em Hong Kong para a disputa da ZOTAC Cup Masters 2018.

Antes a MIBR ouviu a clemência dos fãs e trouxe um treinador. Desde a saída de zews para a Immortals ainda em 2016, que os brasileiros não tinham um comandante. O sérvio Janko "YNk" Paunovi? foi o escolhido.o

Na ZOTAC a equipe se mostrou mais harmonizada, mesmo sendo um evento de menor porte serviu para trazer confiança. Vitórias contra Flash Gaming, MVP.PK e Kinguin trouxeram o título para a agremiação. FalleN foi MVP.

Uma campanha regular na DreamHack Masters Stockholm 2018 já em setembro, mostrou que ainda havia trabalho a ser feito. O FACEIT Major London chegou no mesmo mês, e foi um dos melhores momentos do esquadrão durante aquele segundo semestre.

FalleN e companhia chegaram perto do título após quase caírem na primeira fase. Nos playoffs, uma vitória contra a surpreendente complexity e uma queda para a Natus Vincere na semifinal, encerraram a participação brasuca.



A viagem para a Turquia dias depois mostrou uma equipe ainda mais motivada para a sequência da temporada. Na BLAST Pro Series: Istanbul 2018 uma bela campanha, que se acabaria na grande final, contra a Astralis, que venceu e conquistou o título perdendo apenas um mapa na competição. Foi o mais perto que àquela line-up conseguiu chegar logo em um mês de formação.

Em outubro o retorno ao Brasil para ver os fãs na Brasil Game Show, enquanto estava em intertemporada. O showmatch contra a W7M de 5 vitórias em 5 mapas mostrou um pouco da equipe diante dos fãs, mas logo era hora de voltar a rotina de viagens.

Em Copenhagen na BLAST Pro Series e em Chicago na IEM a MIBR não foi bem, amargando posições abaixo do esperado. Na ECS S6 Finals uma nova grande final, mas uma nova derrota para a Astralis marcou o segundo vice campeonato daquela formação.

A ESL Pro League S8 trouxe uma queda na semifinal, enquanto que a última etapa da BLAST, em Lisboa, amargou o quarto lugar da equipe.

O final daquele ano foi trazendo as esperanças para 2019, uma troca de Stewie2K por TACO e zews. E a dispensa de ynk. Logo felps voltaria a fechar a equipe que era novamente composta por coldzera, fallen, fer, TACO e felps.

Pela primeira vez desde que chegou ao alto nível do Counter-Strike, FalleN não apareceria entre os 20 melhores da temporada, mas foi eleito pelo Prêmio eSports Brasil o jogador de Counter Strike do ano no Brasil.



2019 sem títulos


O primeiro torneio da MIBR em 2019 foi novamente um Major. O IEM Katowice na Polônia traria uma campanha com 3-1 na fase de grupos perdendo apenas para a Cloud9. Os playoffs trouxeram uma vitória contra a Renegades, mas nas semifinais uma queda para a Astralis, que viria a ser campeã.

Em março a viagem para a China para a disputa da WESG, torneio em que a equipe chegou como uma das favoritas ao lado da fnatic. A fase de grupos foi sem problemas e, após bater o time argelino nas oitavas de final, a MIBR cairia para a Windigo nas quartas. Os búlgaros venceriam o torneio de forma inédita.



Dias depois um retorno para o Brasil para a disputa da BLAST. Uma campanha sem nenhuma vitória retratou o que FalleN pronunciaria em redes sociais “o fundo do poço” da equipe havia chegado.

Em abril após uma campanha ruim na StarSeries & i-League CS:GO Season 7, um terceiro lugar na BLAST Pro Series: Miami 2019 animou um pouco. Logo depois, uma longa viagem para Sydney na Austrália, lá caíram na semifinal, um bom desempenho apesar de ainda manter a seca de títulos.

Durante outros dois meses a equipe amargou várias quedas na primeira fase dos torneios, motivando mais mudanças na equipe. Em junho Lucas “Lucas1” Teles foi trocado por empréstimo com a Luminosity, que teve felps em sua equipe.

A chegada de Lucas trouxe alegria e muita motivação para a equipe, mas não foi o bastante. A grande mudança viria, Marcelo “coldzera” David pediria para ser negociado, sendo imediatamente colocado no banco da organização.

Outros dois meses de quedas precoces e a pior campanha na história dos Majors no StarLadder Berlin Major 2019 por parte dos brasileiros, caindo sem chegar nos playoffs e perdendo o status de legend pela primeira vez.



Em setembro chegou Vito "kNgV-" Giuseppe e logo no primeiro torneio um quarto lugar na BLAST Pro Series: Moscow 2019. A viagem para a Hungria tendo em vista a disputa da V4 Future Sports Festival - Budapest 2019 traria novamente a esperança de títulos num torneio de menor expressão, onde os brasucas eram os favoritos, mas uma queda precoce para a Tricked trouxe muita desilusão para a esquadra.

O retorno aos Estados Unidos marcou a classificação para as finais da décima temporada da ESL Pro League, nova viagem para a China para a disputa da StarSeries & i-League CS:GO Season 8 com campanha ruim. Outro retorno aos Estados Unidos para garantir vaga nas finais da ECS S8 e uma nova viagem desgastante para a China para a disputa da CS:GO Asia Championships 2019 mostraram muito de uma equipe que parecia querer disputar tudo que viesse pela frente para aumentar a coesão de grupo, mas que foi vista com olhar crítico por boa parte do cenário.

Um resultado regular apenas na CS:GO Asia Championships 2019 com uma queda na semifinal para a ENCE. Ainda em novembro uma queda nas últimas posições da ECS S8 e dias depois outra viagem, dessa vez para a Dinamarca, disputar as finais globais da Pro League, também sem sucesso.

No dia 11 de dezembro um novo marco histórico para a equipe comandada por FalleN. Um argentino pela primeira vez faria parte do grupo. O jovem Ignacio "meyern" Meyer foi o escolhido para ocupar a vaga de Lucas1. Na primeira participação junto da equipe um belo desempenho do jovem na cs_summit 5, mas o título não veio e apenas o sexto lugar para a MIBR.

Mesmo sem conquistar títulos em 2019, FalleN viria a ser bi da premiação de melhor jogador de CS:GO do ano pelo Prêmio eSports Brasil.



As expectativas para 2020 continuaram altas por conta da mudança, uma aposta num jogador até então desconhecido não era feita por FalleN desde 2016, quando escolheu coldzera para compor a line-up, o mesmo que seria eleito o melhor do mundo naquele ano e em 2017 e que seria papel importante em ambos os títulos de major e em dezenas de outros mundo afora.

Aviso Sobre Cookies:

Esse site utiliza cookies para personalizar anúncios e melhorar a sua experiência. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.